CONSIDERAÇÕES ACERCA DO PENSAMENTO CONTEMPORÂNEO SOBRE O SEXO

12-04-2015 21:48

Fui aproveitar um “saldão” de livros que tinha numa livraria na Av. Paulista, famosa por concentrar a classe alta da academia paulista, e me deparo com uma quantidade absurda de verborragias impressas sobre o “sexo”. E tomando como aprendizado os diálogos profundos com uma Mulher muito especial na minha vida e, à qual sou eternamente grato pelos ensinamentos diários, decidi escrever essa crônica.

Tem uma frase de Karl Marx e Friedrich Engels célebre para iniciar esse texto. Está no início da obra “A ideologia alemã”, marcando o pensamento ocidental desde então. A frase é: “As ideias dominantes de uma época, são as ideias da classe dominante”. Em toda sociedade a classe que domina os meios de produção e reprodução da vida material concreta, também detém a hegemonia do pensamento de uma época histórica. E é assim com a sociedade capitalista, desde o século XIX, quando Marx e Engels escreveram suas obras, seja nos dias atuais, no princípio de um milênio de incertezas.

Portando, toda atividade de pensamento tem ligação com a vida material dos homens em sociedade. É ontológico (da essência do ser, no caso, ser humano), não podendo existir separadamente, como se tivesse vida autônoma. No entanto, no século XX, basicamente a partir dos escritos de outro alemão, Friedrich Nietzsche, o pensamento, a abstração tomou forma própria, deslocando da vida material, caracterizando e, muitas vezes, embasando toda irracionalidade humana que permeou no mundo (justificativa intelectual para a banalidade humana contemporânea). Sei que muitos discordarão da linha de raciocínio que enfatizo, no entanto, espero que entendam a essencialidade do tema e da abordagem, não se perdendo na superficialidade da “cegueira das aparências”.

Esse breve comentário introdutório se faz necessário ao analisar a verborragia acadêmica contemporânea sobre o sexo, principalmente a alta abordagem filosófica sobre o assunto, pois, quando se trata da apologia ao sexo dos cantores da cultura do funk, muitas pessoas são as primeiras a reivindicar, “atirar as pedras” (Como se houvessem santos no mundo!!), porque eles tratam a mulher como objeto sexual (Não digo que isso não haja!!). Porém, quando se refere à cultura acadêmica (não estou falando dos best-sellers eróticos, ainda) e a todos os escritos que apontam o sexo como temática central, o tratamento muda-se de figura. Toda essa filosofia do sexo é vista como da alta academia, abordando temas acessórios, como práticas sociais, fetiches, psicanálise do erotismo, etc. Há nisso um preconceito de classe, o que é cultura erudita da classe dominante, qualquer “lixo” serve e é endeusado, todavia, quando se trata da cultura popular da classe pobre o “lixo” é visto apenas como tal, lixo.

Com isso, o que quero é provocar a discussão de dois pontos. Primeiro, seja no Funk, na TV, nos best-sellers estilo “cinquenta tons de cinza”, por exemplo, ou no mais elaborado pensamento filosófico, a mulher é referida comumente como objeto sexual, uma mercadoria. Segundo, e esse é mais problemático porque diz respeito a um fenômeno social complexo (caldo cultural) do nosso tempo, volto à abordagem do início. Aparentemente as ideias, o pensamento irracional, adquiriu vida própria na modernidade, principalmente, naquilo que se convencionou chamar de “pós-modernidade”. No entanto, tendo um olhar mais atento, se verifica que, na essência, essa suposta autonomia do pensamento é ilusória e, na verdade, essa “moda acadêmica do sexo” é reflexo, muitas vezes, de uma vida sexual frustrada, pois se não é vivida na sua plenitude, ela tem que ser pensada, reificada. E, o que é pior, reflete a banalidade humana do nosso tempo histórico. Fazem elucubrações mentais sobre o sexo, mas no fundo, muitas pessoas, atualmente, são frustradas sexualmente, buscando sanar, mediante atividades do pensamento, aquilo que elas não têm na sua vida real concreta.

Voltar

Procurar no site

Foto utilizada com a permissão da Creative Commons Michael Seeley, Kiwi Tom  © 2010 Todos os direitos reservados.