LULA - O NOVO MINISTRO-CHEFE DA CASA CIVIL DE DILMA E AS COMOÇÕES SOCIAIS EM DESALINHO

16-03-2016 22:20

Esclarecendo, a nomeação do ex-presidente da república Luís Inácio Lula da Silva, como ministro-chefe da casa civil do governo Dilma Rousseff, não é ilícita. Está dentro da lei e, o que é mais pontual, das brechas da lei. No entanto, é a criação de um fato político de peso dentro do governo Dilma, com objetivos políticos claros: melhorar a relação do poder executivo com o poder legislativo, num momento de pedido de impeachment e, por outro lado, com diversos setores da sociedade brasileira para melhorar a situação da economia e, consequentemente, melhorar a imagem do governo e salvaguardar as conquistas sociais dos governos petistas.

É claro como o sol a inabilidade e truculência de Dilma para os “tratos da governabilidade”, tendo muitas vezes batido de frente com o seu maior aliado, o PMDB. Aliado esse que, desde a época do regime militar, atua como artífice (ativo e passivo) da política brasileira, desde a cidadezinha do interior ao mais alto escalão do governo federal.

A pergunta que se faz é: Dilma ficará no ostracismo com Lula no seu governo, tendo a autonomia e o traquejo político que tem? Talvez sim, talvez não. Não esqueçamos de que Dilma não é Marina Silva, que durante os desastres ambientais da Samarco no estado de Minas Gerais calou-se. A presidente é uma figura firme, calejada pela vida e saberá, a meu ver, construir e fixar a linha tênue necessária para que não se isole.

Sobre as manifestações contrárias ao governo e à nomeação de Lula como ministro... Há que se respeitar as eleições gerais de 2014. É preciso provas factuais, mais que acusações para destituir um governante, seja ele do partido que for; e não micaretas insufladas pela rede globo.

Se dará certo, ou não?! Somente a história e as ações humanas nela que nos dirá.

Voltar

Procurar no site

Foto utilizada com a permissão da Creative Commons Michael Seeley, Kiwi Tom  © 2010 Todos os direitos reservados.