MENINO BONITO

20-02-2017 20:16

Lindo, e eu me sinto enfeitiçada, hei menino bonito...

Nada como começar com música, e quantas músicas boas temos para verbalizar sentimentos. E as vezes somente elas conseguem expurgar aquele monstrão que está dentro de nós.

Todos temos monstros pessoais que precisamos encarar de frente, para conseguir resolver as neuroses. Doma o bicho para ser feliz!

E o menino bonito é um tipo de monstro que perturba, tira a paz, mas é bom estar lá porque alimenta a alma e tempera a vida. Nem todo monstro é ruim, basta você dominá-lo.

Com o passar dos anos, das décadas, a vida vai ficando desbotada, surrada. As perdas entristecem, os tombos calejam, a pele perde o viço. Precisamos de um esforço diário de auto estima, positivismo, e consciência do “hoje”, pois a pressa pode ser implacável para quem tem mais anos para trás que para frente.

E a juventude passa a ser indispensável para mantermos o equilíbrio, um balsamo. Cada vez mais entendo os casais em contraste de idade, ambas necessidades: maturidade x frescor. Mas ainda a porcentagem do homem ser o mais velho da relação é grande, eles são mais destemidos e seguros.

Hahhh mas como é bom despertar o desejo de um rapaz, dá um medo... um não! Vários medos (mulher, bicho que tem medo, de tudo!), mas o flerte com o jovem faz bem para a pele, para a alma, para o riso, para o corpo.  E o meu menino bonito perturba com o olhar, nos pequenos gestos, o sorriso franco, um dilema do ser ou não ser, posso não posso, quero não quero, devo não devo, e de repente... adolescência. Não tem como não achar graça dessa situação. A vida prega peças...

O homem jovem tem energia como cachoeira em queda, para quem tem medo de água sai correndo. Quem gosta de rio enfrenta mesmo com medo do gelo na cabeça. O prazer é certo, revigorante. As mulheres precisam se permitir tomar esse banho.

Cachoeiras me encantam, mas gosto de contemplar de longe, a sedução é tão grande que se entrar não saio mais. A razão nos chama para a terra firme e seca.

Há contradição na minha fala? Eu sei, mas me perdi no caminho que leva a estrada à cachoeira, ainda vago na mata ouvindo os ruídos da água, a vontade de mergulhar é imensa, quando chegar lá talvez mergulhe de cabeça, ou não (de volta aos velhos dilemas).

Para terminar esse devaneio, outra canção: tempo tempo tempo é o senhor do destino...(se eu pudesse te parava).

Até a próxima viagem meus caros!

 

Autora: Vestal

Vestal é o pseudônimo de uma mulher admiradora do universo masculino. Cercada por esses seres tão práticos em contraposição com a complexidade feminina, observa o comportamento deles e afirma: os homens não são todos iguais!

Voltar

Procurar no site

Foto utilizada com a permissão da Creative Commons Michael Seeley, Kiwi Tom  © 2010 Todos os direitos reservados.