RESENHA DO LIVRO: HISTORIADORES PELA DEMOCRACIA

16-10-2016 20:05

O ano de 2016 ficará para a história brasileira como aquele que consumou o seguinte fato: O Golpe jurídico-político e midiático (Impeachment), no qual, através de uma AGB - Aliança Golpista Brasileira (Ver mais em: http://professorkassiano.webnode.com.br/news/a-alianca-golpista-brasileira-agb-e-os-limites-da-democracia-politica/), a presidente Dilma Rousseff, eleita com 54 milhões de votos, em 2014, foi destituída do cargo (Pasmem!) sem crimes de responsabilidade a ela imputados, manchando, assim, a nossa jovem e limitada democracia política, consagrada pelo sufrágio universal na Constituição Federal de 1988, e abrindo brechas para o autoritarismo e a intolerância. Nas palavras da própria presidente, referindo-se ao Impeachment e à forma como o mesmo foi conduzido: Ultrapassaram a fronteira rumo ao estado de exceção.

Qual o papel das ideias e daqueles que tem nelas a sua matéria-prima elementar de trabalho? Como o passado pode nos ensinar a ver as aparentes rupturas e as concretas continuidades do nosso país? Respondendo a esses e outros questionamentos e em nome da democracia, no seu sentido e valor mais elementar de igualdade, que a obra “Historiadores pela Democracia: O Golpe de 2016 e a força do passado”, organizada pelas professoras Hebe Mattos, Tânia Bessone e Beatriz G. Mamigonian foi publicada (O lançamento foi em 31/07/2016 dia da votação final no Senado Federal do Impeachment/Golpe de Dilma Rousseff). O livro é uma reunião de textos escritos por historiadores e pesquisadores na tentativa de entender a situação política brasileira atual, nos alertando para a importância da investigação histórica dos acontecimentos passados e suas permanências incrustadas no Brasil de hoje.

Os textos selecionados estão divididos em quatro partes. A primeira aborda os antecedentes sociohistóricos e culturais do Golpe de 2016 e as relações de forças políticas e ideológicas que resultaram nele. Vale a pena destacar o artigo do professor Luiz Felipe de Alencastro chamado “Os riscos do vice-presidencialismo”, no qual, em 2009, nos alertava sobre a aliança PT-PMDB. A segunda parte concentra-se na crônica do golpe, sob o olhar atento do Historiador. Já a terceira parte enfatiza a luta do movimento “Historiadores pela Democracia”, que deu origem ao livro, mostrando a batalha teórico-ideológica em defesa da democracia e de um governo democraticamente eleito, apontando para os perigos que posturas e ações autoritárias despertam. Por último, a quarta parte reúne as primeiras interpretações do Golpe e das atitudes do governo interino e ilegítimo do vice-presidente Michel Temer.

O livro é uma fonte de pesquisa e aprofundamento para todas as pessoas que não estão satisfeitas com os fatos recentes na política brasileira e lutam em defesa da democracia como princípio elementar de convivência em sociedade. Recomendo, também, a leitura para as pessoas que constroem a sua visão de mundo através do “jornalismo colonial”, fortemente presente na sociedade brasileira. Em suma, a todas as pessoas que estão dispostas e abertas à reflexão histórico-crítica.

 

Referência

Livro: Historiadores pela Democracia: O Golpe de 2016 e a força do passado

Autoras: Hebe Mattos, Tânia Bessone e Beatriz G. Mamigonian (Orgs)

Assunto: Política e sociedade brasileiras

Idioma: Português

Ano: 2016

Editora: Alameda

Voltar

Procurar no site

Foto utilizada com a permissão da Creative Commons Michael Seeley, Kiwi Tom  © 2010 Todos os direitos reservados.