AS POSSES DE BOLSONARO E DORIA E O TRATAMENTO AOS JORNALISTAS

01-01-2019 23:19

A posse de Bolsonaro como presidente

Está fundada oficialmente a "República Teocrática Neopentecostal do Brasil" (RTNB).

De fato, a posse de Jair Bolsonaro foi fora do habitual, como foram as derradeiras eleições que o titularam para o cargo. No entanto, tanto no discurso quanto na cerimônia em geral, palavras vazias e criação de falsos problemas continuam sendo a tônica do presidente.

O seu discurso de posse apresentou aquilo que qualquer pessoa, minimamente consciente e racional, já sabia: a falta de objetividade e citação de "inimigos ocultos da nação brasileira" e o "fim de ideologias". Com um olhar mais atento é possível visualizar que, no Brasil, políticas de austeridade liberalizantes e de corte nos direitos da população somente podem ser realizadas sob um "verniz ideológico". Em outras palavras, a população será direcionada pelo novo governo, com o apoio da mídia tradicional, a priorizar a sua atenção para "pautas moralizantes" (ideológicas) - tipo “marxismo nas escolas e na cultura”, “doutrinação de gênero” e outras pataquadas mais -, funcionando como "cortinas de fumaça" diante dos ataques aos direitos dos trabalhadores (públicos e privados) e das medidas liberalizantes guiadas pelo "Posto Ipiranga" do Bolsonaro, o economista Paulo Guedes.

Outro ponto a destacar é a equipe ministerial de Bolsonaro. Os 22 ministérios mantidos foram, na prática, fatiados de acordo com os interesses das forças armadas, de Paulo Guedes, do pseudointelectual Olavo de Carvalho, do agronegócio e dos evangélicos, liderados pelo Pastor Silas Malafaia. Para isso, basta ver a formação e o contexto das indicações dos ministros.

 

A posse de João Doria como governador de São Paulo

No seu discurso de posse, o empresário, comunicador e aprendiz de político, João Doria deu ênfase às privatizações de “tudo aquilo que puder ser privatizado”, com a “abertura de São Paulo (Mais ainda!) ao capital estrangeiro” e o “fim das ideologias”. Medidas em consonância com o governo federal recém-empossado, mas com um agravante. Ao citar tais políticas a serem tomadas, o governador eleito reforçou a ideia de fazer um “grande governo”, com São Paulo voltando a ser a “nação que lidera o país”; ou seja, São Paulo e sua histórica vocação como a grande “nação bandeirante”. Ora, até aí nada de anormal dentro dos discursos políticos de posse, se não fosse o interesse explícito de João Doria em ser presidente do Brasil, já prognosticando um possível cenário para 2022, caso as eleições gerais sejam mantidas.

 

Os jornalistas na cobertura de posse

A jornalista Mônica Bergamo, do jornal Folha de São Paulo, escreveu um artigo intitulado “Um dia de cão”, retratando o péssimo tratamento dispensado pelo governo Bolsonaro aos “representantes da opinião pública”. De fato, uma imprensa livre é uma utopia das mais caras ao liberalismo, todavia, não é a primeira vez que isto acontece, seja no período pré-eleitoral, durante as eleições ou no pós-eleitoral, conhecido como “período de transição”. Bolsonaro e seus apoiadores nunca demonstraram afeição pelo trabalho dos jornalistas.

Por outro lado, daí a minha ênfase, o “jornalismo político-partidário” (Aqui expando para as grandes empresas midiáticas do país.), feito no Brasil durante, principalmente, o governo de Dilma Rousseff é um dos responsáveis por estarmos na situação que estamos. Conteúdos e análises tendenciosas e partidárias implacáveis com a ex-presidente, inclusive na sua vida pessoal, ajudaram a construir um cenário de caos e a desmoralizar o governo após a vitória legítima nas urnas, em 2014.

Em suma, não me causa nenhum pesar o tratamento dispensado aos jornalistas na cerimônia de posse, em Brasília. Vocês, jornalistas, com exceção de poucos quadros, vem sendo coniventes com as barbaridades que este alucinado publica faz tempo.

 

REFERÊNCIAS

- Discurso de posse de Jair Bolsonaro

noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2019/01/01/em-2-discurso-bolsonaro-fala-em-acabar-com-ideologia-que-defende-bandido.htm

- Análise sobre os riscos do novo governo

professorkassiano.webnode.com.br/news/os-riscos-para-o-pais-da-aventura-bolsonaro/

- Formação da equipe ministerial

www.bbc.com/portuguese/brasil-46229653

- Discurso de posse de João Doria

g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2019/01/01/veja-a-integra-do-discurso-de-posse-de-joao-doria-como-governador-de-sao-paulo.ghtml

- Artigo da jornalista Mônica Bergamo

www1.folha.uol.com.br/colunas/monicabergamo/2019/01/um-dia-de-cao.shtml

- Reflexão sobre a oposição ao novo governo brasileiro

www.nexojornal.com.br/entrevista/2018/12/28/Haddad-novo-governo-pode-unir-estabilidade-e-desigualdade

 

Voltar

Procurar no site

Foto utilizada com a permissão da Creative Commons Michael Seeley, Kiwi Tom  © 2010 Todos os direitos reservados.