O HOMEM VULCÃO

15-04-2018 15:25

Depois de um longo período de hibernação, a Vestal volta com mais um de seus devaneios. Para quem não a conhece, Vestal é o pseudônimo de uma mulher que faz reflexões sobre o universo masculino.

Esses artigos surgiram da necessidade de mostrar como os homens são criaturas mal estudadas, enquanto as mulheres são seres complexos e enigmáticos, fonte inesgotável de inspiração, os homens são desenhados de forma tão simplória que seria injusto com alguns seres da espécie, dotados de tanta complexidade e graça como as mulheres.

Dedico minhas escritas à alguns “musos” que, além de despertar curiosidades, contribuíram e muito para a fruição de meu trabalho. São homens reais, emoldurados pela personagem.

Engana-se quem afirma que eles são parecidos em sentimentos e atitudes, não, não! Iguais somos nós, mulheres, que desejamos a mesma coisa mas expurgamos de forma diferente. Os homens aparentam ter um único objeto de desejo, precisam se auto afirmar dentro do grupo, porém quando amam, amam com corpo, alma, e entram num labirinto de emoções. E quando surge o amor...ah...eles tornam-se lindos!

Nas minhas andanças pela vida conheci um exemplar movido a paixões, mas adormeceu feito um vulcão por longa temporada. Esse homem foi despertado por um sentimento que proporcionou descobertas de si e revoluções internas, que embora sejam positivas pode ter efeito tsunami.

O homem vulcão, como os outros inspiradores da Vestal, contesta a tese da igualdade dos homens (são iguais no desejo e são iguais no amor). E ele atribui ao amor sua transformação, um amor que traz com consigo a paz e a tormenta. A dualidade emocional é combustível para novas aventuras.

E eu que pensava já ter visto e vivido tudo que a vida poderia proporcionar em relação aos arroubos e sustos do amor, e começava a preparar-me para a aposentadoria sentimental. Eis que surge em meu tranquilo caminho uma nova inspiração, para remexer o fundo do rio, transformá-lo em corredeira. Trouxe para a superfície novas questões e mostrou que a vida ainda jorra, como a larva de um vulcão

Essa experiência surpreendente deu à vida, nova cor, novo sabor e novos horizontes, trouxe a Vestal para a ativa e confirmou que viver vale muito a pena.

Até a próxima, meus caros...

 

 

Autora: Vestal

  Vestal é o pseudônimo de uma mulher admiradora do universo masculino. Cercada por esses seres tão práticos em contraposição com a complexidade feminina, observa      o comportamento deles e afirma: os homens não são todos iguais!

 

Voltar

Procurar no site

Foto utilizada com a permissão da Creative Commons Michael Seeley, Kiwi Tom  © 2010 Todos os direitos reservados.